LIBERDADE DE EXPRESSÃO.

LIBERDADE DE EXPRESSÃO.
A CULTURA GAY É INTOLERANTE E NÃO CONSEGUE VIVER NA DIVERSIDADE COM RESPEITO

domingo, 25 de setembro de 2011

Campanha de “ódio” online de miltantes gays, depravados moralmente e materialistas-hedonistas-esquerdistas miram sites e blogs cristãos e evangélicos.

Campanha de “ódio” online mira sites cristãos


Homossexuais que criticam perspectiva bíblica da família desencadeiam “investigação” do PayPal


Bob Unruh

© 2011 WND

Uma investigação formal de várias organizações cristãs foi lançada pelo PayPal, a enorme empresa de transferência de dinheiro, por causa de uma campanha online de “ódio” contra elas por parte de homossexuais, de acordo com um dos que se tornaram alvos.

Os avisos de investigação foram enviados para o blog Last Days Watchman de Julio Severo e Americans for Truth de Peter LaBarbera.

Ambos sites são assumidamente cristãos, e ambos defendem a perspectiva bíblica acerca da homossexualidade.

As exigências do PayPal ocorreram na forma de um questionário exigindo que os donos dos sites deem explicações sobre o botão do PayPal no site deles e “o propósito… de coletar essas doações”.

O PayPal, que retornou um pedido de WND em busca de comentários acerca da campanha de “ódio” contra as organizações cristãs, mas disse que não tinha uma declaração preparada, também queria saber como o PayPal seria usado como um meio para receber pagamentos e se a organização tinha condição “registrada” de isenção de impostos.

Severo explicou para o PayPal que seu ministério cristão, por meio de seus blogs em português, inglês, espanhol e alemão, tem como objetivo “informar as pessoas acerca de questões polêmicas, inclusive eutanásia, aborto, homossexualidade, etc”.

“Notei que sua mensagem veio a mim depois de uma campanha de ódio contra mim e outros ministérios cristãos”, ele disse ao PayPal, citando o site AllOut.org.

A campanha online critica “extremistas anti-LGBT” que estão usando o PayPal para levantar dinheiro para “sua causa perigosa”.

A campanha coloca como centro do alvo Severo e LaBarbera, bem como Abiding Truth Ministries, New Generation Ministries, Noua Dreapta da Romênia, Truth in Action Ministries, Dove World Outreach, Igreja Batista Palavra da Fé, Instituto de Pesquisa de Família e a Sociedade Americana para a Defesa da Família Tradicional.

AllOut alega que esses grupos promovem “ódio”.

Mas Severo insistiu em que exatamente o oposto é a verdade.

“Quero que vocês saibam que nós cristãos amamos os homossexuais, mas discordamos de seus estilos de vida imorais”, dele disse ao PayPal.

Uma resposta do PayPal para Severo comentou: “Apreciamos a informação que você nos enviou. Sua conta foi registrada de acordo com essa informação. Nós investigaremos sua conta e daremos uma resposta assim que for possível. Apreciamos muito a sua paciência nesse caso”.

Severo disse que AllOut está também em atividade no Facebook, Twitter e por meio de e-mails para pressionar o PayPal a censurar suas convicções religiosas.

“Diferentemente dos ativistas gays que recebem imensas verbas governamentais, eu não recebo nenhum dinheiro do governo”, disse Severo.

“Gasto muito tempo preparando e escrevendo artigos para postar em meus blogs. Meus blogs e suas mensagens são minhas contribuições voluntárias e sacrifício pessoal para ajudar a informar vocês. Ore contra as campanhas gays que têm como alvo isolar financeiramente a mim e minha família. Se eles tiverem êxito, nós como família… não teremos condições de sobreviver”.

Ele disse ao PayPal: “Ficarei aguardando sua resposta, e também uma resposta pública com relação à campanha de ódio que está me fazendo de alvo. Todas as acusações dessa campanha de ódio contra mim são falsas. Como cristão, nunca preguei nenhuma violência contra outras pessoas. Posso apresentar centenas de testemunhas que confirmarão o que estou dizendo”.

LifeSiteNews já criou uma petição online em apoio aos sites e ministérios cristãos que diz: “Protesto contra o ataque de organizações homossexuais contra os ativistas cristãos Julio Severo, Americans for Truth About Homosexuality (AFTAH) e Tradição, Família e Propriedade (TFP). Incentivo o PayPal a defender o direito de organizações pró-família de usar seu serviço e a rejeitar ataques contra a fé cristã e outras religiões que defendem a moralidade sexual e os valores da família”.

De acordo com LaBarbera, a questão é que os ativistas homossexuais não mais estão dispostos a meramente prosseguir seu próprio estilo de vida; eles agora estão exigindo que sejam totalmente silenciadas as pessoas que têm perspectivas bíblicas das quais eles discordam.

“Eles querem dominação ainda que isso signifique caluniar pessoas pró-família como ‘odiadoras’ e destruir nossas liberdades religiosas que tanto amamos”, disse ele.

Em reportagem anterior, WND mostrou quando Severo relatou que seu site estivera sob monitoração do Ministério de Segurança Nacional dos EUA.

WND também noticiou quando uma série similar de ataques foi produzida contra ministérios e grupos online que discutem o perigo do islamismo.

De acordo com as reportagens, o PayPal eliminou várias contas por causa de preocupações com mensagem desses sites expondo a verdade sobre o islamismo, então restaurou-os um curto tempo mais tarde.

Pamela Geller, ativista, escritora e blogueiro popular do Atlas Shrugs, que também ajudou a fundar a Iniciativa de Defesa da Liberdade e Detenham a Islamização dos Estados Unidos, relatou que recebeu cartas intimidatórias do PayPal que afirmavam que os sites “promovem ódio” e “intolerância racial”.

De acordo com Geller, o PayPal lhe enviou cartas explicando que os sites haviam violado as normas da empresa, que proíbem o uso do PayPal para itens que “promovem ódio, violência, intolerância racial ou exploração financeira de um crime”.

A fim de se submeter às normas, Geller relatou, ela foi obrigada a remover o PayPal como opção de pagamento de seus sites, bem como referências à empresa, seu logotipo e características de compra.

Mais tarde, ela relatou que um executivo da empresa PayPal telefonou e explicou que a decisão foi um erro e que os serviços financeiros para os sites dela podiam ser reiniciados.

WND também noticiou quando a organização Charitable Give Back Group, que no passado era conhecida como Rede de Valores Cristãos, disse que ativistas estavam fazendo uma campanha online para coletar assinaturas e assustar clientes por causa da mensagem cristã.

Versão em inglês deste artigo reproduzida no blog em inglês de Julio Severo: Online ‘hate’ campaign targets Christian sites

Versão em inglês deste artigo reproduzida no blog inglês de Julio Severo: Online ‘hate’ campaign targets Christian sites



Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com

Fonte: WND














 
 
Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA REFORMADA

Reformar a Sociedade Brasileira através da Reforma da Educação
e Cultura a partir da Cosmovisão Cristã, Reformada e Calvinista.


Cuidado com os Hackers gayzistas (muitos são subsidiados por verbas p....), eles estão atacando os sites e blogs cristãos e evangélicos.

Hackers gayzistas atacam petição pró-família a favor de Julio Severo e outros cristãos


Julio Severo

Um site com uma petição pró-família para apoiar a mim e outros cristãos sofreu ataque de hackers hoje.


Imagem copiada do site da petição pró-família hackeado no domingo de manhã, 25 de setembro de 2011
A petição foi criada por LifeSiteNews em resposta a uma campanha em massa da organização homo-fascista AllOut, que se gaba de ter mais de 500.000 adeptos.

A campanha de AllOut pressionou o PayPal a bloquear seus serviços para mim e organizações pró-família. O PayPal prontamente cedeu, primeiramente bloqueando minha conta, efetivamente me impedindo de receber doações voluntárias de amigos.

Agora, para garantir que uma campanha pró-família positiva pressione o PayPal na direção certa, hackers homossexuais atacaram o site da petição pró-família.

Ao que tudo indica, outras pessoas que querem ajudar também estão sob ataque. Don Hank, dono do site americano Laigle’s Forum, teve sua conta de e-mail MSN de acesso pago bloqueada depois de distribuir mensagens sobre o PayPal e sua injusta escolha de participar do ataque de AllOut contra mim.

Além disso, AllOut, que é uma organização que recebe grandes financiamentos, está ativamente coletando assinaturas para sua petição para pressionar o Congresso do Brasil a aprovar leis anti-“homofobia”. Provavelmente, AllOut está trabalhando em parceria com grupos homossexuais do Brasil, que o informaram acerca de mim e minhas atividades contra a agenda gay, inclusive meu livro “O Movimento Homossexual”, publicado originalmente pela Editora Betânia e agora disponível gratuitamente como e-book aqui.

Por quase dez anos, ativistas homossexuais estão ativamente hackeando sites que publicam artigos escritos por mim. Sites que me defendem também são atacados.

Tudo o que posso pensar é que vozes proféticas pagam um alto preço. Pergunte a João Batista. Ou pergunte às duas testemunhas de Apocalipse 11. Todos eles foram perseguidos por seu chamado profético, e todos eles foram abençoados pelas palavras de Jesus:

“Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus; bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa. exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós.” (Mateus 5:10-12 ACF)



















 
Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA REFORMADA

Reformar a Sociedade Brasileira através da Reforma da Educação
e Cultura a partir da Cosmovisão Cristã, Reformada e Calvinista.


quinta-feira, 22 de setembro de 2011

A prática da INTOLERÂNCIA dos militantes gays que recebem verba proveniente de impostos de cidadãos e muitos são cristãos para combater aqueles que pensam diferente e são ridicularizados por pensar diferente! Nenhuma sociedade se sustentará se a imoralidade e as LEIS DE DEUS forem afrontadas!

GGB intervém e cancela palestra de Jair Bolsonaro em Salvador

Biaggio Talento


Diógenis Santos / Agência Câmara dos Deputados
Promotores cancelaram participação e pediram desculpas ao GGB pelos “transtornos causados”
Promotores cancelaram participação e pediram desculpas ao GGB pelos “transtornos causados”

















O lobby do movimento gay de Salvador conseguiu promover o cancelamento de uma palestra que o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) notório militante anti-gay, iria proferir no 8° Encontro Baiano de Direito Penal, marcado para os dias 14 e 15 de outubro.

O evento é promovido pela empresa Múltipla – Difusão do Conhecimento, pelo Curso Juspodium e pela Associação Brasileira de Professores de Ciências Penas (ABPCP – Bahia). A temática do encontro é "As novidades legislativas do Direito Penal e do Processo Penal: a reforma do CPP, a nova Lei de Prisões e outras questões relevantes".

Bolsonaro falaria na abertura do evento às 10h30 do dia 14, sobre o tema Proposta de Política de Prevenção ao Homossexualismo. Ao tomar conhecimento da presença de Bolsonaro na encontro, o presidente do Grupo Gay da Bahia (GGB) Marcelo Cerqueira veiculou a informação nos fóruns de entidades ligadas aos homossexuais e direitos humanos na internet, comunicou o Ministério Público do Estado e reclamou junto à direção do Juspodium.

Durante as “negociações”, o GGB chegou a propor aos organizadores do evento que substituíssem Bolsonaro por outro convidado da área do Direito e “em permanecendo ele na mesa, convidar alguém para fazer um contraponto”, sugerindo dois nomes, o do antropólogo Luiz Mott ou o deputado Jean Wyllys.

Leia mais no jornal A TARDE deste sábado, 17, ou se for assinante, acesse aqui a edição digital.

Fonte: http://www.atarde.com.br/politica/noticia.jsf?id=5767287

 
Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA REFORMADA

Reformar a Sociedade Brasileira através da Reforma da Educação
e Cultura a partir da Cosmovisão Cristã, Reformada e Calvinista.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

INTOLERÂNCIA DOS "TOLERANTES" - Parte IV: Campanha de “ódio” online mira sites cristãos

Campanha de “ódio” online mira sites cristãos


Homossexuais que criticam perspectiva bíblica da família desencadeiam “investigação” do PayPal


Bob Unruh

© 2011 WND

Uma investigação formal de várias organizações cristãs foi lançada pelo PayPal, a enorme empresa de transferência de dinheiro, por causa de uma campanha online de “ódio” contra elas por parte de homossexuais, de acordo com um dos que se tornaram alvos.

Os avisos de investigação foram enviados para o blog Last Days Watchman de Julio Severo e Americans for Truth de Peter LaBarbera.

Ambos sites são assumidamente cristãos, e ambos defendem a perspectiva bíblica acerca da homossexualidade.

As exigências do PayPal ocorreram na forma de um questionário exigindo que os donos dos sites deem explicações sobre o botão do PayPal no site deles e “o propósito… de coletar essas doações”.

O PayPal, que retornou um pedido de WND em busca de comentários acerca da campanha de “ódio” contra as organizações cristãs, mas disse que não tinha uma declaração preparada, também queria saber como o PayPal seria usado como um meio para receber pagamentos e se a organização tinha condição “registrada” de isenção de impostos.

Severo explicou para o PayPal que seu ministério cristão, por meio de seus blogs em português, inglês, espanhol e alemão, tem como objetivo “informar as pessoas acerca de questões polêmicas, inclusive eutanásia, aborto, homossexualidade, etc”.

“Notei que sua mensagem veio a mim depois de uma campanha de ódio contra mim e outros ministérios cristãos”, ele disse ao PayPal, citando o site AllOut.org.

A campanha online critica “extremistas anti-LGBT” que estão usando o PayPal para levantar dinheiro para “sua causa perigosa”.

A campanha coloca como centro do alvo Severo e LaBarbera, bem como Abiding Truth Ministries, New Generation Ministries, Noua Dreapta da Romênia, Truth in Action Ministries, Dove World Outreach, Igreja Batista Palavra da Fé, Instituto de Pesquisa de Família e a Sociedade Americana para a Defesa da Família Tradicional.

AllOut alega que esses grupos promovem “ódio”.

Mas Severo insistiu em que exatamente o oposto é a verdade.

“Quero que vocês saibam que nós cristãos amamos os homossexuais, mas discordamos de seus estilos de vida imorais”, dele disse ao PayPal.

Uma resposta do PayPal para Severo comentou: “Apreciamos a informação que você nos enviou. Sua conta foi registrada de acordo com essa informação. Nós investigaremos sua conta e daremos uma resposta assim que for possível. Apreciamos muito a sua paciência nesse caso”.

Severo disse que AllOut está também em atividade no Facebook, Twitter e por meio de e-mails para pressionar o PayPal a censurar suas convicções religiosas.

“Diferentemente dos ativistas gays que recebem imensas verbas governamentais, eu não recebo nenhum dinheiro do governo”, disse Severo.

“Gasto muito tempo preparando e escrevendo artigos para postar em meus blogs. Meus blogs e suas mensagens são minhas contribuições voluntárias e sacrifício pessoal para ajudar a informar vocês. Ore contra as campanhas gays que têm como alvo isolar financeiramente a mim e minha família. Se eles tiverem êxito, nós como família… não teremos condições de sobreviver”.

Ele disse ao PayPal: “Ficarei aguardando sua resposta, e também uma resposta pública com relação à campanha de ódio que está me fazendo de alvo. Todas as acusações dessa campanha de ódio contra mim são falsas. Como cristão, nunca preguei nenhuma violência contra outras pessoas. Posso apresentar centenas de testemunhas que confirmarão o que estou dizendo”.

LifeSiteNews já criou uma petição online em apoio aos sites e ministérios cristãos que diz: “Protesto contra o ataque de organizações homossexuais contra os ativistas cristãos Julio Severo, Americans for Truth About Homosexuality (AFTAH) e Tradição, Família e Propriedade (TFP). Incentivo o PayPal a defender o direito de organizações pró-família de usar seu serviço e a rejeitar ataques contra a fé cristã e outras religiões que defendem a moralidade sexual e os valores da família”.

De acordo com LaBarbera, a questão é que os ativistas homossexuais não mais estão dispostos a meramente prosseguir seu próprio estilo de vida; eles agora estão exigindo que sejam totalmente silenciadas as pessoas que têm perspectivas bíblicas das quais eles discordam.

“Eles querem dominação ainda que isso signifique caluniar pessoas pró-família como ‘odiadoras’ e destruir nossas liberdades religiosas que tanto amamos”, disse ele.

Em reportagem anterior, WND mostrou quando Severo relatou que seu site estivera sob monitoração do Ministério de Segurança Nacional dos EUA.

WND também noticiou quando uma série similar de ataques foi produzida contra ministérios e grupos online que discutem o perigo do islamismo.

De acordo com as reportagens, o PayPal eliminou várias contas por causa de preocupações com mensagem desses sites expondo a verdade sobre o islamismo, então restaurou-os um curto tempo mais tarde.

Pamela Geller, ativista, escritora e blogueiro popular do Atlas Shrugs, que também ajudou a fundar a Iniciativa de Defesa da Liberdade e Detenham a Islamização dos Estados Unidos, relatou que recebeu cartas intimidatórias do PayPal que afirmavam que os sites “promovem ódio” e “intolerância racial”.

De acordo com Geller, o PayPal lhe enviou cartas explicando que os sites haviam violado as normas da empresa, que proíbem o uso do PayPal para itens que “promovem ódio, violência, intolerância racial ou exploração financeira de um crime”.

A fim de se submeter às normas, Geller relatou, ela foi obrigada a remover o PayPal como opção de pagamento de seus sites, bem como referências à empresa, seu logotipo e características de compra.

Mais tarde, ela relatou que um executivo da empresa PayPal telefonou e explicou que a decisão foi um erro e que os serviços financeiros para os sites dela podiam ser reiniciados.

WND também noticiou quando a organização Charitable Give Back Group, que no passado era conhecida como Rede de Valores Cristãos, disse que ativistas estavam fazendo uma campanha online para coletar assinaturas e assustar clientes por causa da mensagem cristã.

Versão em inglês deste artigo reproduzida no blog em inglês de Julio Severo: Online ‘hate’ campaign targets Christian sites

Versão em inglês deste artigo reproduzida no blog inglês de Julio Severo: Online ‘hate’ campaign targets Christian sites



Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com

Fonte: WND














 
Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA REFORMADA

Reformar a Sociedade Brasileira através da Reforma da Educação
e Cultura a partir da Cosmovisão Cristã, Reformada e Calvinista.

INTOLERÂNCIA DOS "TOLERANTES" - Parte III: PayPal lança investigação contra grupos pró-família depois que homossexuais se queixam

PayPal lança investigação contra grupos pró-família depois que homossexuais se queixam



16 de setembro de 2011 (Notícias Pró-Família) — O PayPal está conduzindo uma investigação contra várias organizações e pessoas pró-família que estão sendo alvo de uma campanha homossexual que acusa essas organizações de “ódio” e “extremismo”, conforme ficou sabendo LifeSiteNews.

A investigação lançada por PayPal está ocorrendo em resposta óbvia a uma campanha feita pelo grupo homossexual All Out (Todos Fora do Armário, cujo endereço é: http://allout.org/en/actions/paypal), que está pedindo que o PayPal elimine de seu serviço dez organizações, inclusive Julio Severo, que é tradutor de LifeSiteNews e blogueiro pró-família; a organização ativista católica Tradição, Família e Propriedade e Americanos pela Verdade acerca da Homossexualidade (Americans for Truth About Homosexuality, AFTAH), de Peter LaBarbera.

“Estamos lhe escrevendo com relação à sua conta no PayPal”, a empresa declara num dos e-mails, que foi enviado até o momento para pelo menos três das organizações na lista do All Out. O PayPal então afirma que a organização em questão é uma “empresa comercial” e precisa de “aprovação prévia” para usar o PayPal.

“O PayPal aprecia o fato de que você nos escolheu para aceitar pagamentos para sua empresa comercial. Após uma avaliação periódica, constatamos que sua conta vem se conduzindo como uma empresa comercial que exige aprovação prévia. O PayPal tem como política que algumas empresas comerciais se registrem para obter aprovação antes de utilizar nosso sistema ou desaprovar algumas empresas comerciais para impedi-las de usar o PayPal como um meio de receber pagamentos por alguns tipos de serviços. Por favor, veja a ‘Política de Uso Aceitável do PayPal’ sob ‘Acordos Legais” para ter mais informações”.

O PayPal então faz várias perguntas aos destinatários.

“Notamos que há um botão de doações em seu site que tem um link para a sua conta no PayPal. Pode nos dar uma explicação do propósito que você tem ao coletar essas doações?”

“Explique como o PayPal será usado como um meio de lhe dar pagamentos”.

“A sua organização já se registrou como organização de caridade, sem fins lucrativos e com isenção de impostos, diante do governo estadual e federal, ou diante de outro órgão regulador aplicável?”

Quando a agência noticiosa homossexual Pink News perguntou ao PayPal sobre a campanha do All Out e sobre o fato de que dinheiro no PayPal financia essas organizações, a empresa respondeu que “Embora não possamos comentar acerca de quaisquer contas específicas por causa da confidencialidade dos clientes, regularmente revemos as organizações e sites que usam nosso serviço, e paramos de trabalhar com aqueles que quebram nossa Política de Uso Aceitável. Nós também possibilitamos que indivíduos delatem quebras suspeitas dessa política em nosso site”.

Dois dos alvos da campanha do All Out, Julio Severo do blog Last Days Watchman e Peter LaBarbera da AFTAH (http://aftah.org), disseram que as organizações homossexuais acusam os outros de “bullying”, mas elas mesmas estão praticando isso.

“Human Rights Campaign (Campanha dos Direitos Humanos), uma das maiores organizações gays do mundo com sede em Washington, foi revelada num registro que rastreia sites como visitando meu blog em 23 de agosto de 2011. E agora, ativistas gays dos EUA querem que o PayPal cancele minha conta, efetivamente me impedindo de receber doações”, disse Severo.

“Tenho vivido longe do Brasil com esposa e quatro filhos e, diferente dos grupos gays, dependemos de doações. Os grupos gays recebem grandes verbas e financiamentos governamentais. E recebem enorme sustento financeiro internacional da ONU e de poderosas fundações. Não há nenhuma comparação entre eles e seus recursos de milhões de dólares e as doações que recebo”.

“Uso meus recursos para sustentar minha família. Não recebo nenhum dinheiro governamental para escrever textos cristãos. Se fazem uma campanha para eliminar doações dirigidas a mim, não terei condições de sustentar minha família. Isso não é assustador?”

LaBarbera comentou que “em aproximadamente 60 anos a homossexualidade passou por uma transformação, onde no passado era tabu e perversão e hoje é um movimento muito forte que castiga aqueles que discordam da conduta de mesmo sexo — principalmente cristãos. Essa campanha mais recente que quer fazer bullying para que o PayPal elimine de seus serviços a AFTAH e outras organizações pró-família ilustra perfeitamente a besteira da ‘tolerância gay’. Cansados (ou incapazes) de debater de um modo civilizado com seus oponentes, os militantes homossexuais estão agora usando a força bruta na internet para oprimir e silenciar a voz judaico-cristã da sanidade sexual. Neste exato momento precisamos urgentemente que todos os que se opõem ao moderno fascismo homossexual façam contato com o PayPal e exortá-los a não se dobrar às exigências dos grupos gays de pressão política. Nosso próprio futuro como sociedade livre depende de que detenhamos essa nova tirania politicamente correta”, ele acrescentou.

Informações de contato:

Assine a petição dirigida ao PayPal para protestar contra a perseguição aos cristãos pró-família (http://profamilyfreedom.net)

Ligue para o PayPal nos EUA: 1-402-935-2050

Envie um e-mail ao PayPal clicando aqui e selecionando “Email Us”. Pessoas que não têm conta no PayPal podem selecionar a opção à direita e receberão um formulário para preencher.

Cobertura anterior LifeSiteNews:


Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com



Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

Artigos relacionados no Blog Julio Severo:













 
Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA REFORMADA

Reformar a Sociedade Brasileira através da Reforma da Educação
e Cultura a partir da Cosmovisão Cristã, Reformada e Calvinista.


África do Sul: Meninas com menos de 12 anos receberam injeções contraceptivas sem o consentimento dos pais

África do Sul: Meninas com menos de 12 anos receberam injeções contraceptivas sem o consentimento dos pais



PORT ELIZABETH, África do Sul, 16 de setembro de 2011 (Notícias Pró-Família) — Injeções contraceptivas foram administradas sem o consentimento dos pais em meninas novas numa escola da África do Sul, conforme reportagem do Dispatch Online da segunda-feira.

De acordo com a reportagem, as injeções foram dadas por membros da unidade de planejamento familiar do Hospital Dora Nginza para meninas nas séries 6 e 7 da Escola Primária Emzoncane, em Zwide, na cidade de Port Elizabeth. Algumas das alunas tinham 10 anos de idade.

Conforme a reportagem, a escola havia enviado uma carta aos pais informando-lhes que os representantes do hospital estariam dando uma palestra para os estudantes acerca da menstruação e contracepção, mas não se fez nenhuma menção das injeções.

“Minha preocupação é com os efeitos que essa injeção terá na minha filha, pois ela nem começou a menstruar”, disse Nandipha Ngalo, cuja filha de 11 anos recebeu injeção.

Ngalo disse que os pais das meninas foram chamados à escola depois que as injeções haviam sido administradas, informados de que suas meninas estavam sob o efeito do controle da natalidade e receberam “cartões de clínica” para prosseguimento do tratamento.

Marcus van Heerden, ginecologista do Hospital Nelson Mandela Bay, chamou a injeção de “totalmente antiética”, acrescentando que tem o potencial de adiar o início da puberdade.

“Simplesmente não se dá um contraceptivo contra a vontade das pessoas. Isso não é medicina”, disse ele.

Os métodos injetáveis de controle da natalidade, dos quais o mais comum é o Depo-Provera, introduzem hormônios sintéticos no corpo que suprimem a ovulação.

De acordo com o site do Depo-Provera, os riscos da droga incluem câncer, coágulos sanguíneos, derrame, sangramento menstrual irregular e um aumento na densidade óssea.

Apesar disso, os contraceptivos injetáveis têm sido promovidos por defensores do “planejamento familiar” como uma forma eficaz e conveniente de controle da natalidade para menores de idade, pois exigem apenas esforço mínimo por parte da usuária.

O Dr. Nyathi Ntsiko, diretor da secretaria distrital da educação de Port Elizabeth, também se expressou contra as injeções.

“Sabemos que há um problema enorme de gravidez entre adolescentes, mas essas coisas precisam do consentimento dos pais e do envolvimento deles”, disse ele.

Conforme uma reportagem do jornal Times Live, um porta-voz da secretaria de saúde da província de Cabo Oriental disse ontem que a enfermeira que administrou a injeção enfrentaria uma audiência disciplinar.

A administração de contracepção para menores de idade sem o consentimento dos pais é uma prática comum em muitos países, inclusive nos Estados Unidos e Canadá.

De acordo com um relatório publicado neste mês pelo Instituto Guttmacher, filial de pesquisa da [abortista] Federação de Planejamento Familiar, 21 estados nos EUA permitem que menores de idade deem consentimento para obter serviços de contracepção, 25 estados permitem isso em certas circunstâncias e 4 estados “não têm uma política explícita”.

No Canadá, a Lei de Consentimento para Tratamento, aprovada em 1995, possibilita que menores de idade deem consentimento para obter serviços contraceptivos, inclusive aqueles que são disponíveis a partir da enfermeira da escola. O consentimento da menor pode também ser implícito em vez de expresso verbalmente.

Artigos relacionados:














Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com



Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.
 
Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA REFORMADA

Reformar a Sociedade Brasileira através da Reforma da Educação
e Cultura a partir da Cosmovisão Cristã, Reformada e Calvinista.